segunda-feira, 31 de agosto de 2009

*POLÍTICO ANTES E DEPOIS*


ANTES DA POSSE:

O nosso partido cumpre o que promete.
Só os tolos podem crer que
não lutaremos contra a corrupção.
Porque, se há algo certo para nós, é que
a honestidade e a transparência são fundamentais.
para alcançar os nossos ideais
Mostraremos que é uma grande estupidez crer que
as máfias continuarão no governo, como sempre.
Asseguramos sem dúvida que
a justiça social será o alvo da nossa ação.
Apesar disso, há idiotas que imaginam que
se possa governar com as manchas da velha política.
Quando assumimos o poder, faremos tudo para que
se termine com os marajás e as negociatas.
Não permitiremos de nenhum modo que
as nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos os nossos propósitos mesmo que
os recursos econômicos do país se esgotem.
Exerceremos o poder até que
Compreendam que
Somos a nova política.

DEPOIS DA POSSE:

Basta ler o mesmo texto acima, DE BAIXO PARA CIMA
lendo linha por linha.
Por ex:
Somos a nova política
Compreendam que
Exerceremos o poder até que
os recursos econômicos do país se esgotem.
...

Assim por diante.

"Enviado para o Jornal DAQUI, por Warley Damião"

domingo, 30 de agosto de 2009

*FOI INVEJA E CIÚME*


Sempre fui extrovertida, brincalhona e de bem com a
vida, conta a fotógrafa Adriana*, de 27 anos. "Por
isso costumo provocar olhares de desaprovação de
uns e, por que não dizer, inveja de outros. Mas só
senti o estrago que o mau-olhado poderia fazer na
minha vida quando engatei um namoro com um colega
de trabalho. Assim que assumimos a relação,comecei
a colecionar problemas.
Ele era o bonitão do andar, o que fez muita gente
querer estar no meu lugar. Os comentários eram
tantos que meu rendimento foi afetado. Chegava ao
trabalho cansada e produzia mal.

Ao descobrir nosso envolvimento, minha chefe, que já
tinha fama de mal-amada, passou a implicar com tudo
o que eu fazia. Nossas diferenças tornaram-se
tamanhas que tive de mudar de setor. O cara ainda
tinha uma ex neurótica, que, por um misto de inveja
e ciúme, aprontou as maiores cenas, uma delas foi
entrar no apartamento dele e jogar minhas coisas
na rua. Nessa mesma época, ainda fui obrigada a
lidar com problemas de saúde, quase perdi meu
emprego, atropelei um motoboy no meio da rua...
Enfim, tudo que podia dar errado deu.

www.nova.com.br

sábado, 29 de agosto de 2009

*CACHORRO*


O sujeito leva o cachorro ao veterinário.
- Eu quero cortar o rabo do meu cachorro!
O veterinário, acostumado a esse tipo de serviço, obedece
calado. Vinte minutos depois está de volta.
- Pronto, meu senhor! Aqui está!
- Espera aí! Eu mandei cortar o rabo todo mas o senhor
ainda deixou um pedaço!
- Se eu cortar o rabo todo, o seu cachorro vai ficar
horrível! - defende-se o veterinário.
- Não me interessa! Quero que corte tudinho!
- Tudo bem! Tudo bem! - concorda o médico. - Mas posso ao
menos saber o motivo da implicância com o pobrezinho?
- Implicância não! É que a minha sogra vai almoçar em
casa no próximo domingo e eu não quero ver nenhuma
manifestação de alegria!

!Jornal DAQUI!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

*PRESERVAR UMA RELAÇÃO*


Meu querido

Te amo e sou capaz de fazer qualquer coisa para preservar
a nossa relação. Sei que você é doce e carinhoso, no
entanto em determinados momentos, você se transforma em
uma criatura pouco gentil. Que será que acontece, ao
alternar momentos de doçura com comportamento intempestivo?
O que eu preciso fazer para que você seja sempre a mesma
pessoa amorosa, que se revela principalment quando
fazemos amor?
Continuo te amando mesmo assim. Deve haver um sentimento
misterioso que me une a você e me faz insistir nesse amor.
Quando penso assim, sinto uma grande esperança de que um
dia, há de me fazer muito feliz.
Dentro de mim existe algo que me faz confiar em você e no
seu amor. Procure, meu querido, me fazer feliz sempre
que eu estiver ao seu lado, em todos os momentos.

Um beijo.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

*REGINA ECHEVERRIA ESCREVEU CAZUZA*


Desde meu primeiro encontro com Lucinha Araújo,
quando ela me convidou para escrever a história de
sua vida com Cazuza, percebí que estava diante de uma
personagem riquíssima. Uma pessoa que, como o filho
artista, gostava da verdade e, melhor ainda, de
compartilhar suas verdades sem medos. A missão que me
aguardava era praticamente inédita em meus anos de
profissão: ouvir o depoimento de Lucinha, organizar a
história e, no momento de escrever, pensar e até mesmo
sentir por ela.

Nossas afinidades imediatas saltavam aos olhos e,
confesso, não foi nada difícil. Assim como ela, sou mãe
de um filho único e, também como ela, passei pelo
calvário de perder uma pessoa querida vitimada pelo
vírus da Aids. Meu marido, o grande jornalista Hamiltom
Almeida Filho, sucumbiu à doença em novembro de 1993.
Em nossas inúmeras conversas - mais de vinte horas
gravadas -, muitas vezes choramos juntas a dor de Cazuza
e a de cada uma. Partilhamos tantas intimidades que hoje
já me considero mais uma na família Araujo, que passei
a admirar e a respeitar.

Lucinha se transformou num dos meus tipos inesquecíveis
pela coragem, pelo enorme coração e, mais ainda, por
ter me dado a chance de participar da história de
Cazuza, uma das pessoas mais puras, sinceras e
talentosas que tive a chance de conhecer

"Regina Echeverria"

domingo, 23 de agosto de 2009

*QUERIDA, ESTOU APAIXONADO*


Querida,

Gostaria de poder levar a você toda a energia que vem
do amor que estou sentindo. Estou apaixonado, me
sentindo um adolescente capaz de todas as loucuras.
Nunca imaginei, pois, na maturidade, pensar em paixão
- era uma sensatez. Seria um sentimento que jamais me
atingiria outra vez.
Mas você apareceu e me apanhou desprevenido. Aqui estou
eu, como um garoto, completamente apaixonado, pronto
para viver mais essa aventura, que certamente será
maravilhosa.
Sinto na sua atitude alguma inquietação, mas até isso em
você me encantou. Sua insegurança é própria da juventude,
demonstra também a surpresa com que recebeu o impacto.
Esse grande amor nos atingiu em cheio.
Vamos viver com ousadia este caso especial!
Ao me despedir, sinto arder em mim o fogo da paixão.

Seremos felizes.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

*LOIRA COMPRA TV*


Uma mulher foi numa loja comprar uma TV. Ela pediu:
- Me vê aquela TV?
Aí a vendedora disse:
- Não vendemos para loiras.
Então a loira saiu da loja e foi a um salão de beleza
pintar o cabelo. Depois voltou para loja e fez a
mesma pergunta:
- Me vê aquela TV?
De novo a vendedora disse:
- Não vendemos para loiras.
Daí a loira disse:
- Como você sabe que eu sou loira?
- É que aquilo não é uma TV, é um micro-ondas.

"Jornal DAQUI"

domingo, 16 de agosto de 2009

*SÓ MINEIRO INTENDE*


Sapassado, era sessetembro, taveu na cuzinha tomanu
uma picumel e cuzinhanu um kidicarni com mastumati
pra fazê uma macarronada com galinhassada.

Quascaí de susto, quano ouví um barui de dendoforno
pareceno um tidiguerra.

A receita mandopô midipipoca dentru da galinha prassá.
O forno isquentô, u misturô e o fiofó da galinha
ispludiu.!!!

Nossinhora! Fiquei branco quinein um lidileite. Foi
um trem doiddimais!!

Quascaí dendapia! Fiquei sensabê doncovim, proncovô,
oncotô.

Óiprocevê quelucura!!

Grazadeus ninguém simaxucô!

Humbração procêis!!!

"megamensagens.com/humor/

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

*CASAL JANTANDO*


Daniel convidou Amélia para jantar fora, mas, quando
foi buscá-la, ela insistiu para que ficassem em casa,
e disse que cozinharia. Daniel conta:
"Ela era uma péssima cozinheira, e a comida estava
horrível. Ela disse que queria ficar em casa para
assistir a uma ópera na televisão. Eu tinha
planejado um jantar legal num bom restaurante, e
acabei sentado no sofá da casa dela, comendo uma
carne com gosto esquisito. assistindo Pavarotti
ou algum outro cara cantando - logo eu, que odeio
ópera. E ela ainda tinha três gatos que não
paravam de pular em cima de mim."

"Steven Carter e Julia Sokol"

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

*10 HOMENS E 1 MULHER*


Onze pessoas estavam penduradas em uma corda num
helicóptero. Eram 10 homens e 1 mulher. Como a corda
não era forte o suficiente para segurar todos,
decidiram que um deles teria que se soltar da corda.
Eles não conseguiram decidir quem, até que, finalmente,
a mulher disse que:
"se soltaria da corda, pois as mulheres estão acostumadas
a largar tudo pelos seus filhos e marido, dando tudo aos
homens e recebendo nada de volta e que os homens, como
a criação primeira do mundo, mereceriam sobreviver,
pois eram também mais fortes, mais sábios e capazes
de grandes façanhas..."

Quando ela terminou de falar, todos os homens começaram
a bater palmas...

E cairam da corda...

Nunca subestime o poder e a inteligência de uma mulher...

"Mensagem retirada da NET"

sábado, 8 de agosto de 2009

*DA MATEMÁTICA PARA A FÍSICA*


Roberto Sobocinski Castro, 15 anos, é um veterano
nas olimpíadas de matemática. Ele participa de
provas desde os 8 anos. Adora a matéria e, quanto
mais difícil for o exercício, melhor. "É um desafio.
Você tem de encontrar as fórmulas e o melhor meio
de chegar à resposta", diz.
Ser craque em matemática facilitou muito, quando
Roberto começou a estudar física, no ensino médio.
Hoje, ele faz o segundo ano e, além das Olimpíadas
de Matemática, começou a participar da Olimpíada
Brasileira de Física. Em 2008, entre os alunos da
primeira série, ele foi o único de Goiás a receber
medalha de ouro.

O bom desempenho de Roberto gera uma curiosidade em
seus colegas de classe. "Alguns me perguntam o que se
deve fazer para tirar boas notas em matemática e
física". Para o estudante, a resposta é simples:
paticar. Fazer os exercícios em casa é a melhor
preparação. Roberto diz que o importante é utilizar
o que o professor ensinou em sala para treinar em
casa. Se pintou uma dúvida e você não conseguiu
terminar o exercício, não vale entrar em pânico.
Legal é falar com o professor e pedir uma nova
explicação sobre o assunto.
O próximo desafio de Roberto é participar da Olimpíada
Internacional de Física, ainda sem data para ser
realizada. "Hoje, os exercícios de física exigem que
o estudante saiba interpretar bem a questão. Se você
entender direitinho o que eles pedem, fica mais fácil",
diz.

Mas, afinal de contas, qual é mais difícil: matemática
ou física? Para Roberto, as provas da Olimpíada de
Matemática são mais complicadas. "É preciso pensar
muito para fazer", diz. Sobre o futuro, o estudante,
assim como Marcos, quer ser engenheiro.

"Encarte do Jornal O POPULAR. Pablo Hernandez"

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

*MEU NETO LUCAS*

divertidas mensagens




Meu neto de 4 anos de idade sempre foi um garoto muito
esperto. Magricelinho, mas de boa saúde. Puxou a família
do pai, onde os nossos parentes são umas varas de apanhar
mamão. Prosa que nem ele só. Conversinha estralada para
chamar a atenção. Fazia já alguns dias que ele acompanhava
seus pais de férias, lá em casa.
Um dia, vinha eu chegando um pouco apressado, devido aos
afazeres da lida diária, e flagrei-o comendo um pedaço de
doce de leite. O naco era grande e ele não havia chegado à
metade ainda. Mais do que depressa, como era costume entre
nós, pus-me a reinvindicar os meus direitos a uma fatia
daquela deliciosa merenda.
- Lucas, me dá um pedaço...
Não pude completar a frase. No que comecei a falar e a pedir,
ele enfiou o pedaço de doce todinho na boca. Para a mercadoria
caber no recipiente foi necessário que ele se socorresse da
ajuda das duas mãos, virando-me as costas, para se esconder
melhor. Não aguentei. Ri a gargalhadas.
- Que coisa feia, Lucas, ridicando um pedacinho de doce do
vovô!... Ele, meio que apurado, quis rir também, mas começou
a tossir. E tossiu e vomitou o doce todo - que na mesma
velocidade que entrou, saiu -, enchendo as mãos de doce e
de baba. Uma baba comprida, parecendo catarro. Aí riu de
verdade, oferecendo-me uma ponta da comida vomitada.

- Aqui, ó vô, um pedacinho pro cê.
- Eco, não quero esse trem nojento não!
- Não, vô, pega. Tamo, é seu. Tá com nojo de mim?
E ria mais ainda, porque tinha a certeza de que eu não ía
pegar aquela nojeira. Não ía comer aquele doce já
começado a se dissolver com sua saliva. Ele sabia disso e
fez de propósito, justamente para ver minha reação.
Depois disso, Lucas ficou com a consciência pesada, me
adulando, puxando conversa...
- Vô, vou buscar outro pro cê, tá?
- Cê vai ter que pedir pra vovó, que você não sabe onde
ela guarda os doces!
- Eu que não sei, vô?
- Sabe?
- Eu sei, mas não falo.
- Onde, me conta!?
- Não posso. Ela falou preu não comer doce que senão
dá lombriga e estraga os dentes.
- Então você pegou escondido?
- Foi, mas não conta pra ela não, viu, vô!
- Tá bom, eu não conto pra ela, mas me diz onde é que
tá o doce!
- É lá no armário da cozinha, "drento" do pote de "vrido".

Enfim eu e o Lucas nos reatamos e pudemos esvaziar o
pote de "vrido" de "drento" do armário, que deveria
estar cheio de doce de leite em pedaços - pedaços
saborosos -, caso Lucas não o tivesse encontrado
há alguns dias.

"Do livro Causos Incausos - Contos - de Elson
Gonçalves de Oliveira, p. 58 e 59"

sábado, 1 de agosto de 2009

*PARA O AMOR NÃO EXISTE TEMPO*


MACEIÓ, 11 DE AGOSTO DE 2008

Tião
Tudo que faço é pensando em você. Você foi a única
coisa mais linda que aconteceu em minha vida. Não
há como esquecer você um só instante.
Sabe, gatão, você nem imagina o quanto é importante
para mim. Ocupa todo o espaço disponível dentro do
meu coração. Não é o fato de você ser muito mais
velho que eu, que irei perder você. Para o amor não
existe tempo, portanto idade é coisa mínima. São
pequenos detalhes que a vida se encarregará de
harmonizá-los. Sendo assim, não me trate como
criança, pois sou uma mulher feita, sabedora do que
deseja e dona de suas convicções plenas.
Olhe-me com olhos de macho para fêmea, de homem
para mulher. Eu o vejo simplesmente como o meu
futuro marido, duas escovas juntas, e compartilhando
a mesma cama.
Vê se me procura, gato!
Daquela que você fisgou o coração,

Valentina.

"www.edminuano.com.br"