sábado, 26 de dezembro de 2009

*FLOR TRAIÇOEIRA*


Conta uma antiga lenda escandinava que, à superfície
trêmula de um lago, um nenúfar havia, cujo afago,
num rápido momento envenenava.

De longe ainda, era
a falena escrava
do seu perfume
venenoso e vago.
Planta esquisita!
símbolo do estrago:
ao inseto, que a amasse,
a morte dava!

Assim também, como o amoroso inseto,
o néctar sugo límpido, secreto
dos teus sorrisos virginais em flor.

E, já prostrado pelo seu veneno,
caio a teus pés, exânime, sereno,
como um leão, aos pés do domador!

(Guilherme de Miranda)
(Imagens da internet)




segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

*A TOP ESQUISITA*


Nem Gisele Bundchen nem Raquel Zimmermann. Quem causou
frisson na vigésima sexta São Paulo Fashion Week, foi a
inglesa Laura Hollins, ou Agyness Deyn. Desconhecida fora
do mundinho fashion, a top magricela de 25 anos diz nunca
ter pensado em ser modelo. Queria ser original. "Pensava
em ser atriz, cantora. Adorava a idéia de ser criativa",
afirma. Agyness pulou de trabalho em trabalho até ser
descoberta por um fotógrafo em Londres, em 2006, aos 23
anos. De lá para cá, a modelo temporã conseguiu o que
queria. Com seu visual roqueiro e atitude de garota
rebelde, virou ícone da moda e ganhou o apelido de
"nova Kate Moss", em referência à polêmica top-trash dos
anos 90. Não só pela onipresença em campanhas e revistas.
Namorada do guitarrista da banda Strokes, Albert
Hammond Jr., e amiga da cantora-problema Lily Allen,
Agyness é manchete frequente dos tablóides. Tantas
aparições renderam má fama à moça. Em pesquisa realizada
pela rede BBC, ela foi eleita a celebridade "mais chata"
da Inglaterra em 2008. Nada que a incomode: "Muita coisa
que escrevem sobre mim é tolice, não sei de onde tiram".

(Revista QUEM"

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

*EMPREGADA INOCENTE*


A empregada vai limpar o quarto da madame e encontra
uma camisinha usada jogada no chão e pergunta
para a mulher.
- Patroa, o que é isso?
E a patroa responde:
- Ora, é que eu fiz sexo com o meu marido esta noite,
de onde você veio vocês não fazem sexo?
A empregada:
- Fazemos sim, mas não assim de arrancar o
couro do pingolim.

(Enviada por Ribeiro ao Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

*PURA REALIDADE*


- Se você tivesse dois apartamentos de luxo, doaria um
para o partido?
- Sim - respondeu o militante.
- E se você tivesse dois carros de luxo, doaria um para
o partido?
- Sim - novamente respondeu o valoroso militante.
- E se tivesse R$ 1 milhão na conta bancária, doaria
R$ 500 mil para o partido?
- É claro que doaria - respondeu o orgulhoso
companheiro.
- E se você tivesse duas galinhas, doaria uma para o
partido?
- Não - respondeu o camarada.
- Mas porque você doaria um apartamento de luxo se
tivesse dois, um carro de luxo se tivesse dois e R$
500 mil se tivesse R$ 1 milhão, mas não doaria uma
galinha se tivesse duas?
É porque as galinhas eu tenho.

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

*QUE LUXO DE AÇÚCAR*


Antigamente, o açúcar não era usado só para adoçar. Era
tempero, remédio, além de servir como conservante ou
enfeite da mesa na hora da refeição. Durante muitos anos,
também foi símbolo de prestígio e riqueza. Adoçar a
bebida de um convidado, expor objetos de arte feitos de
açúcar ou oferecer bolinhas de açúcar na sobremesa
eram puro requinte.
Você já deve ter ouvido falar que o consumo exagerado
de açúcar tem a ver com as cáries. Você sabia que o
Brasil é um dos maiores produtores de balas e bombons
do planeta? E também um dos países com grande incidência
de cáries!
Para combater as cáries, nada melhor que cuidar da
escovação dos dentes após as refeições, ainda mais
quando elas têm muitos docinhos.
(Isabella de Araújo Alves, Repórter mirim
número 27.662/07-GO)
(Imagem da internet)

*QUAL É A MÚSICA?*

Qual é a música do anão?
Aí eu me afogo num copo de cerveja...

Qual é a música da menstruação atrasada?
A semana inteira, fiquei esperando...

Qual é a música do louco?
Eu agora estou falando com as paredes...

Qual é a música da virgem?
Como é que uma coisa assim machuca tanto...

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)



Orkutei.com.br

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

*DESABAFO DE UM BOM MARIDO*


"Minha mulher e eu temos o segredo pra fazer um casamento durar:
duas vezes por semana vamos a um ótimo restaurante. Ela vai às
terças-feiras, e eu às quintas-feiras.
Nós também dormimos em camas separadas. A dela é em Fortaleza
e a minha, em São Paulo. Eu levo a minha mulher a todos os
lugares, mas ela sempre acha o caminho de volta. Perguntei
a ela onde ela gostaria de ir ao nosso aniversário de
casamento. 'Em algum lugar que eu não tenha ido há muito
tempo!', ela disse. Então eu sugeri a cozinha.
Nós sempre andamos de mãos dadas. Se eu soltar, ela vai às
compras. Ela tem um liquidificador elétrico, uma torradeira
elétrica e uma máquina de fazer pão elétrica. Então ela
disse: 'Nós temos muitos aparelhos, mas não temos lugar
pra sentar'. Daí, comprei pra ela uma cadeira elétrica.
Eu me casei com a Sra. Certa'. Só não sabia que o primeiro
nome dela era 'Sempre'.
Já faz 18 meses que não falo com minha mulher. É que não
gosto de interrompê-la. Mas tenho de admitir: a nossa
última briga foi culpa minha. Ela perguntou:
'O que tem na TV?' E eu disse: 'Poeira'."

(Jornal DAQUI, por Lanna Tarce)
(Imagem da internet)

sábado, 5 de dezembro de 2009

*O DINHEIRO*


O sujeito entra num banco e vê todo mundo andando de um
lado para o outro, olhando para o chão à procura de
alguma coisa.
Para satisfazer a sua curiosidade, ele se vira para o
único senhor que está em pé, parado e pergunta:
- O que está havendo por aqui?
- Foi um rapaz que deixou cair uma nota de R$ 100
e está todo mundo procurando!
- E o senhor? Por que não se mexe também?
- Porque o dinheiro está debaixo do meu sapato!

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

*TAMPANDO O NARIZ*


O bêbado chegava todo dia no boteco, pedia uma pinga,
tapava o nariz e tomava tudo num só gole.
Um dia, o balconista não se conteve:
- Escuta aqui, ô cara! Por que você tapa o nariz
enquanto bebe? Por acaso tem algum problema com
minha pinga?!
E o bêbado:
- É que o cheiro da pinga me dá muita água na boca
e eu gosto dela é pura!

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)

(Encontrado na internet)

*CAIU COM A GARRAFA*

O bêbado ía subindo uma lareira, firmemente agarrado
à sua inseparável garrafa de cachaça, quando tropeça
e leva o maior tombo.
Refeito do susto, sente algo molhado debaixo da
camisa e leva outro susto:
- Ai, meu Deus! Tomara que seja sangue!

(Jornal DAQUI)



segunda-feira, 30 de novembro de 2009

*LOIRA NA PRAIA*


Uma loira está deitada na praia, com um bronzeado
espetacular.
Uma mulher interessada chega perto e pergunta:
- Por favor, qual o seu protetor?
- São Francisco de Assis.

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)


*MÚSICA NO HOSPÍCIO*

O louco deitou-se de costas, no meio do pátio do hospício
e começou a cantar na maior alegria. De repente, parou
de cantar. Um dos loucos da audiência foi lá e virou-o
de bruços, e ele desandou a cantar de novo. Foi então
que um dos loucos falou para os demais:
- Gosto mais do lado B.

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)

*ADIVINHA*
Qual é o lugar da casa que está sempre com pressa?
Resposta: O corredor.

(Jornal DAQUI)

sábado, 28 de novembro de 2009

*A GRAMÁTICA DO JOÃOZINHO*


A professora começou a aula e perguntou para o Joãozinho:
- Joãozinho, me dê um exemplo de verbo.
- Bicicreta, professora.
- Joãozinho, não é bicicreta, é bicicleta! E isso não é
verbo, é substantivo. Agora dê outro exemplo.
- Crebrô, fessora.
- Ótimo, mas não é crebrô, é quebrou!
Aí, a professora virou-se pro Joãozinho:
- Joãozinho, agora me dê um exemplo de verbo.
- Hospedar, fessora!
- Muito bem! Agora, faça uma frase com este verbo.
- Hospedar da bicicreta crebrô!

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

*BAIANO NA CONSTRUÇÃO*


Um baiano arrumou emprego de carregador de tijolos numa
construção. Passada uma hora de serviço, o capataz
chamou sua atenção:
- Escuta aqui, Josimar! Os outros encarregados levam
oito tijolos de cada vez para a construção. Como
é que você só leva um?
- Oxente... Acho que os outros devem ter é
preguiça de andar oito vezes!

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

*DIETA DA LOIRA*


A loira vai ao médico para perder peso. Após um exame,
o doutor receita:
- Você pode comer normalmente por dois dias, aí pula
um dia, come normalmente mais dois dias, pula outro dia
e assim por diante, durante o mês inteiro. Se seguir esse
regime à risca, vai perder pelo menos uns 5 quilos.
No mês seguinte, a loira retorna ao médico 15 quilos
mais magra.
- Incrível! Vejo que você seguiu minhas recomendações à
risca! Parabéns!
- Obrigada, doutor! Mas fique sabendo que eu quase morri!
- De fome?
- Não! De tanto pular!
(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)


*ISSO É QUE É BRAVURA?*

A verdadeira bravura não se demonstra nos campos de batalha,
não está no enfrentamento de animais ferozes ou de perigos
que ponham sua vida em risco.
A verdadeira bravura está em sair de casa para beber com os
amigos; não avisar a mulher; chegar em casa de madrugada,
caindo de bêbado, ser recebido por ela com uma vassoura
na mão; e ainda ter peito para perguntar:
- Vai varrer ou vai voar?

(Jornal DAQUI)
(Imagem da internet)

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

*O FILÓSOFO DA NATUREZA*


Jean Jacques Rousseau nasceu em Genebra, Suíça, em 28 de
junho de 1712. Filho de protestantes, perdeu a mãe durante
o parto. Aos 10 anos, foi entregue pelo pai a um tio, que
por sua vez, o entregou a um padre, com o qual, teve uma
infância infeliz.
Na adolescência, após um breve período de vagabundagem,
entrou num hospício em Turim. Em seguida tentou, por várias
vezes, ser acolhido num seminário. Frustrado com as
repetidas recusas, saiu da Suíça em 1730 e foi para a
França, onde se assentou definitivamente em Paris, no ano
de 1742. Na cidade conheceu Denis Diderot e graças à
amizade, tornou-se um dos muitos colaboradores da
encyclopédie. Rousseau ainda escreveu alguns artigos sobre
a música, sua grande paixão, mas com a publicação do seu
romance "Émile ou de I'éducation" (1762) entrou em conflito
com as autoridades francesas, razão pela qual fugiu para
Inglaterra em 1766, a convite de David Hume.

Um ano depois retornou à França protegido por um nome
falso. Em 1768, se casou com Thérèse Levasseur, sua amada
de longa data, e com quem teve cinco filhos, todos
entregues a adoção, devido à situação financeira do casal.
Morreu em 2 de julho de 1778, em Ermenoville, no interior
da França. Durante a revolução Francesa, 11 anos depois,
Rousseau foi homenageado com o translado de seus ossos para
o Panteão de Paris. Entre suas obras, as escritas em 1762,
"O Emílio ou da Educação" e o "Contrato Social" (na qual
desenvolveu os princípios políticos que estão sumarizados
na conclusão de O Emílio), são as que apresentam maior
conteúdo pedagógico. Por meio delas, Rousseau postula
um sistema político, educativo, moral e religioso
extremamente controvertido para a época.
(Revista COLEÇÃO EDUCATIVA)
(Imagens da internet)

domingo, 15 de novembro de 2009

*CARROÇA VAZIA*


Certa manhã, meu pai, muito sábio, convidou-me a dar um
passeio no bosque e eu aceitei com prazer. Ele se deteve
numa clareira e depois de um pequeno silêncio me perguntou:

- Além do cantar dos pássaros, você está ouvindo mais
alguma coisa? Apurei os ouvidos alguns segundos e respondi:
- Estou ouvindo um barulho de carroça.
- Isso mesmo, disse meu pai, e uma carroça vazia.
Perguntei ao meu pai:
- Como pode saber que a carroça está vazia, se ainda não a
vimos? Ora, respondeu meu pai. É muito fácil saber que uma
carroça está vazia por causa do barulho.

Quanto mais vazia a carroça maior é o barulho que faz.
Tornei-me adulto, e até hoje, quando vejo uma pessoa
falando demais, gritando (no sentido de intimidar),
tratando o próximo com grossura inoportuna prepotente,
interrompendo a conversa de todo mundo e, querendo
demonstrar que é a dona da razão e da verdade absoluta,
tenho a impressão de ouvir a voz do meu pai dizendo:

"Quanto mais vazia a carroça, mais barulho ela faz"...
Pensem nisso...

(Orkutei.com)
(Imagens da internet)

sábado, 14 de novembro de 2009

*VENCI MESMO SENDO GORDINHA*


"Na época de faculdade, um professor teve coragem de me
dizer: Ah você não pode fazer TV. Gordos não têm vez...
Nem por isso desanimei. Assumi minhas formas arredondadas
no vídeo e tive o apoio de muitas pessoas. Percebi que o
mais importante é me aceitar e sorrir na frente do espelho.
Nasci em Bragança Paulista, São Paulo, e tenho muito orgulho
de ser do interior. Em meu segundo ano de faculdade,
comecei a trabalhar num jornal. Logo depois, passei a
escrever uma coluna de variedades Regina Guimarães Show
para três jornais do interior e também entrei na Folha de
São Paulo, onde fazia pesquisas. Nessa época, me afastei
por três anos de meu trabalho devido à perda de meu irmão.

Sofri muito. Já trabalhei também em recursos humanos e em
gravadoras. Entrei na TV Gazeta em primeiro de novembro
de 1990, quando estava completando mais um ano de vida.
Comecei lá como redatora de boletins do departamento de
divulgação, passando por produtora de externas, até
chegar às reportagens que faço atualmente. Minha estréia
na televisão foi em 1993, quando eu, já trabalhando no
programa Mulheres, me disfarcei de Liz Taylor e entrevistei
o cantor Michael Jackson, que estava fazendo shows em São
Paulo. Depois dessa ocasião, uni o útil ao agradável,
incorporei ao meu trabalho de jornalista à minha profissão
de atriz. Meu sonho é ganhar um texto do Miguel Falabella,
para viver uma personagem no teatro.
O estilo? Comédia, é claro. Sou gordinha desde que me entendo
por gente, resolvi comprar uma briga com a balança e desde
março fechei a boca. Queria me sentir melhor e cuidar mais
da minha saúde. Sinto que fiquei mais bonita e mais de bem
com a vida. Para o futuro, estou em busca de novos desafios.
Quero continuar na televisão e se Deus quiser pretendo levar
essa alegria para o teatro e também para um programa de
rádio que pretendo fazer em 2002.
(Regina Guimarães, jornalista e atriz)

*ONDE ANDA REGINA GUIMARÃES?*

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

* A ADOLESCÊNCIA*


Maurício caminha devagar, cabeça baixa, parecendo arrastar
consigo o peso de uma culpa terrível. Seus olhos fixos e
sem brilho, contemplam um ponto perdido num horizonte,
como se alí, entre as ondas do mar, estivesse a resposta.
Possui tudo o que torna uma pessoa feliz: família unida,
posição social, saúde que é a principal, cultura, amigos...
Apesar disso, a dor e a solidão eram companheiras
inseparáveis.

Por quê? Por que existe na adolescência algo capaz de fazer
sofrer alguém como aquele jovem?
Penso que Maurício, como disse acima, tinha tudo; mas me
enganei, faltava algo mais. Ele como um adolescente
sentia necessidade de amigos, mas não como aqueles
que possuiam.
Ele estava enfrentando uma barreira muito grande começava
a entrar no mundo das drogas. Sentia-se sobrevoando, não
era isso que o tornava feliz. Precisava que alguém o
apoiasse, para tirá-lo da perdição que se encontrava.

Mas, como sempre esperamos a mão de DEUS, eis que num
belo dia, apareceu na sua casa um grupo de jovens, com
palavras transbordantes. Fazendo Maurício convencido,
mas em prantos; prometendo juntos participarem sempre
de encontros de jovens.
Daquele momento em diante, ele descobriu a razão de viver,
e que eram seus amigos verdadeiros, inseparáveis; isto
porque aqueles adolescentes não o deixaria mais sofrer
aquela dor insuportável que o consumia.
Agora Maurício caminha mais apressado, cabeça alta, já
não arrasta aquele peso horrível. Seus olhos brilham
como as estrelas, e ele consegue resolver o mesmo
problema daqueles amigos de antes. Só que sempre em
participação do grupo amigo que encontrou.

Quem coloca DEUS em primeiro lugar, poderá vencer muitas
barreiras. E devemos saber com quem andamos, para
saber quem somos.

***Ana Maria Gonçalves***
(Imagem da internet)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

*TRABALHO ESCRAVO URBANO*


A professora paraense Nazaré Serra trabalha até 18 horas
em um só dia para cumprir a jornada de 280 horas-aula
por mês. Com o reajuste de 9,5% dado em maio pelo
governo, após dez dias de paralisação das aulas, ela
ganha cerca de R$640. Morando em uma casa cedida na
Cremação, bairro pobre de Belém (PA), Nazaré tem
sistematicamente atrasado contas para sobreviver com
seus dois filhos desempregados.

"Para saber o que não vou pagar, faço um sorteio, jogo
para cima as contas e o que cair no chão vai para o
mês que vem", brinca. Com 21 anos de magistério e 19 em
escolas estaduais, Nazaré viu seu salário ser achatado
durante esses anos.
"Se tivesse que pagar aluguel, não conseguiria."
Os filhos formaram-se em escola pública e hoje lutam
sem sucesso para entrar na universidade.
Professora de português e ensino religioso, Nazaré
demora duas horas de ônibus de sua casa até a escola
de Outeiro, periferia de Belém. À noite, já foi
assaltada duas vezes.
Durante a campanha salarial em maio, ela estava com
os colegas em frente ao Centro Integrado do Governo
do Pará, quando foram recebidos pelo Batalhão de
Choque com balas de borracha e bombas de efeito moral.
"Estão tentando acabar com o trabalho escravo na área
rural do Pará, mas ele existe na área urbana."

(Revista ESCOLA)
Imagens da internet)

domingo, 8 de novembro de 2009

*LADO A LADO, BEM BOLADO*


encantadoras mensagens



Ricardinho andava sem sorte. Acho até que, se ele fosse
jogar cara-ou-coroa ou par-ou-ímpar dez vezes seguidas,
ele perderia todas elas.
O caso é que ele tinha aprendido que "em cima" se escreve
separado e "embaixo" se escreve junto. Mas, na hora de
escrever suas redações, ele seeeeempre se confundia e
acabava fazendo tudo ao contrário.
Foi queixar-se pra vovó. Afinal, a vovó tinha sido professora
a vida inteira e sabia tudo, tudinho mesmo de todas as coisas.
- É fácil, Ricardinho - ensinou a vovó. - Levante a mão
esquerda, bem aberta.
- Assim?
- Não. Essa é a direita.
- Então é essa?
- É claro, você só tem duas, não é? A mão esquerda é a que
fica do lado do coração.
- E de que lado fica o coração?
- Do lado dessa pintinha que você tem no rosto.
- Ah, ficou fácil! Mas o que tem a ver a mão esquerda
levantada com "em cima" e "embaixo"?
- Veja, querido: seus dedos, "em cima", estão separados
e, "embaixo", eles estão juntos, grudados na palma,
não estão?
Quando você ficar em dúvida, é só levantar a mão aberta,
que você nunca mais vai errar! "Em cima" é sempre
separado e "embaixo" é sempre junto!
Ricardinho achou genial a idéia da vovó. No dia seguinte,
na escola, tratou logo de contar o novo truque para o
Adriano, seu melhor amigo na primeira série.
- Tá vendo, Adriano? É só levantar a mão esquerda e...
- Não vai dar certo - respondeu o amigo.
- Por que não?
- Porque, se eu levantar a mão esquerda, como é que eu
vou escrever? Eu sou canhoto!
- Bom, então levante a direita, que dá no mesmo.
- E como é que eu sei qual é a direita?
- É fácil. Eu, por exemplo, sei que a minha mão esquerda
é esta, que está do lado da pintinha que eu tenho na cara.
- Mas eu não tenho nenhuma pintinha na cara - discordou
o Adriano.
Ricardinho chegou a sugerir que o Adriano pintasse uma
pinta na cara com a caneta, mas Adriano acabou achando mais
fácil saber que a sua mão esquerda era aquela com que ele
escrevia e desenhava e a direita era...bom, era a outra!

(Conto de Pedro Bandeira)
(Imagem da internet)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

*SÓCRATES, FILHO DE UMA PARTEIRA*


Filho de uma parteira e de um escultor, Sócrates nasceu
em Atenas por volta de 469 a.C. Estudou a arte do pai e
trabalhou como escultor por algum tempo. Adquiriu a
cultura tradicional dos jovens atenienses, aprendendo
música, ginástica e gramática. Prestou serviço militar e
lutou nas guerras contra Esparta (432 a.C.). Durante o
apogeu de Atenas, onde se instalou a primeira democracia
de que se tem notícia, conviveu com intelectuais, artistas,
aristocratas e políticos importantes.
Convenceu-se de sua missão de mestre por volta dos 38 anos,
depois que seu amigo Querofonte, em visita ao templo de
Apolo, em Delfos, ouviu do oráculo que Sócrates era "o
mais sábio dos homens".
Deduzindo que sua sabedoria só podia ser resultado da
percepção da própria ignorância, passou a dialogar com as
pessoas que se dispusessem a procurar a verdade e o bem.
Em meio ao desmoronamento do império ateniense e à guerra
civil interna, quando já era septuagenário, Sócrates foi
acusado de desrespeitar os deuses do Estado e de corromper
os jovens. Julgado e condenado à morte por envenenamento,
ele se recusou a fugir ou a renegar suas convicções para
salvar a vida. Ingeriu cicuta e morreu rodeado por seus
amigos, em 399 a. C.
(Revista ESCOLA)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

*PÓS-GRADUAÇÃO OU AS CONTAS*


O professor Ricardo Alexandre de Jesus Camilo, 26 anos,
há um ano e meio na rede estadual, leciona no Colégio
Moraes Prado II, no jardim Varginha, região do Grajaú,
em São Paulo (SP). É uma das escolas "de latinha", de
zinco, construídas provisoriamente em região de proteção
de mananciais. Ele completa a renda dando aulas em uma
escola particular. "Dou aula para ensino fundamental,
de quinta a oitava série, e para o ensino médio. Estou
com 12 aulas e tiro R$ 390, com os descontos. Na escola
particular, o salário não é dos sonhos, mas recebo mais
e trabalho menos", aponta.

No ano passado, Camilo fazia a jornada de 32 horas - e,
acima de 24 horas por semana, o professor não recebe o
vale-alimentação. Mas pelo menos ele conseguia pagar
todas as contas no fim do mês. "Hoje, ainda bem que
moro com minha mãe e meus irmãos", define.
"Se eu tivesse outro irmão professor não conseguiríamos
pagar tudo."
Ele acha que um salário justo para os professores
deveria deveria ser pelo menos 60% maior do que o atual.
"Não sobra dinheiro para investir na carreira", lamenta.
"Quando terminei a faculdade, imaginei ficar um ano
sem estudar e logo depois fazer uma pós-graduação. Mas,
agora, ou eu pago uma pós ou compro comida, pago a luz."

(Revista EDUCAÇÃO)
(Imagem da internet)

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

*NA ITÁLIA, COMO UM ITALIANO*


(Imagem da internet)

"Meu pai foi jogador de futebol e vendedor de bilhetes
de loteria. Não tive berço de ouro. Quando fui jogar
no Pisa, em 1987, não falava língua nenhuma. Se via
alguma coisa e não sabia o nome, pedia para os colegas
escreverem num papel. Um jogador estrangeiro não pode
ser um corpo estranho na equipe. Quem vai para fora
tem de se desvencilhar do Brasil, e não ficar procurando
o Brasil lá fora. É por isso que, quando morei na Itália,
tentei viver como um italiano, na Alemanha como um alemão,
e no japão como um japonês. Em Florença, por exemplo, ía
sempre aos mercados tradicionais e a museus. Cheguei a
entrar em lugares históricos reservados apenas para
secretários de governo.


No Japão, visitei vários templos budistas. Na Alemanha,
tinha aulas com uma professora que me levava a festas
típicas. Além disso, em todos os países, fiz amizade
com famílias que me mostraram o modo de vida local.
Isso foi bom não só pelo aspecto cultural. De certa
forma, essas experiências me deixaram com a cabeça mais
aberta e me ajudam a lidar com os jogadores como treinador.

*Carlos Caetano Bledorn Verri, o Dunga, 45 anos,
treinador da seleção brasileira*
(Imagem da internet)

(Revista VEJA, 2009)

sábado, 31 de outubro de 2009

*FALSIFICARAM MINHA PÁGINA NO ORKUT*


(Imagem da internet)

"FUI ALVO DE ZOMBARIAS DEPOIS QUE
FALSIFICARAM MINHA PÁGINA NO ORKUT"

"Em 2006, tive minha página no Orkut cionada 3 vezes.
As fotos que apareciam nas páginas falsas eram minhas,
mas as informações contidas nelas eram todas inventadas.
Fui apresentada como lésbica e, depois, como garota de
programa. Cheguei a receber mais de 300 recados com
cantadas em uma semana. Passei a ser alvo de zombarias
e muitos conhecidos que acessaram as páginas falsas
se afastaram de mim. Na faculdade em que minha mãe
dá aulas, os alunos faziam piadinhas, deixando-a
constrangida.
Entrei na Justiça e consegui que o Google retirasse
o material do ar, mas eles se recusaram a fornecer
uma informação fundamental para a identificação dos
culpados. Só no fim de 2008 é que tive acesso a esse
dado, mas, depois de tanto tempo, as chances de
identificar os criminosos são mínimas, porque a lei
não obriga os provedores a preservar esse tipo de
dado. Estou brigando na Justiça para que o Google
seja responsabilizado pelas perdas e danos que sofri."

(A.C.C., 33 anos, psicóloga. Belo Horizonte, MG)


Observação:
Em cinco anos, quadruplicou no Brasil o número de
notificações relacionadas a fraudes, invasões e
tentativas de invasão sofridas por usuários
de computador.
FONTE: Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de
Incidentes de Segurança no Brasil (Cert.br)

(Imagem da internet)

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

*AUTISTAS: QUANDO SERÁ A VEZ DELES?


Sou professora de Computação Gráfica e Aerografia, mas
escrevo mais como mãe do que como profissional. Meu
filho Erick, de 9 anos, é um autista não-verbal. Vocês
não podem imaginar como é triste quando um bebê não
abraça seus pais. Nem como é difícil ver o descaso com
a Educação Especial.
Crianças autistas, em geral, são incapazes de estabelecer
qualquer tipo de relação social e não têm condições de
frequentar turmas regulares.
Elas necessitam de educação especializada. Existem várias
linhas de trabalho aprovadas mundialmente, que nem sequer
exigem verbas. Basta vontade política. Apesar disso - e
de a lei garantir o acesso dessas crianças à escola
especial, bem como ao atendimento terapêutico -, milhares
de meninos e meninas continuam abandonados.

Como educadora, sei que o ensino especializado daria ao
meu filho - e a tantos outros autistas - reais
possibilidades de desenvolvimento. Hoje, infelizmente,
mantenho Erick em casa. Mas tenho esperanças de um dia
vê-lo conquistar progressos numa escola adequada.

Em algumas cidades, a Justiça exigiu a criação de vagas
específicas na rede pública. Mas isso é pouco. Uma
alternativa seria obrigar também as instituições
privadas. Por isso, faço aqui a súplica: os ministérios
da Educação e da Saúde precisam se unir para
solucionar essa questão.

(Lucy Santos, São Paulo)

terça-feira, 27 de outubro de 2009

*PAPAGAIO CONGELADO*


Um dia, um sujeito ganhou de presente um papagaio. O bicho
era uma praga. Não demorou muito, logo se espalhou
pela casa.
Atendia telefone.
Gritava e falava sozinho nas horas mais inesperadas.
Dava palpite nas conversas dos outros.
Discutia futebol. Fumava charuto.
Pedia café, tomava, cuspia, arregalava os olhos,
esparramava semente de girassol e coco por todo lado,
gargalhava e ainda gritava para o dono de casa:
"ô seu doutor, vê se não torra faz favor!"
Uma noite a família recebeu uma visita para jantar.
O papagaio não gostou da cara do visitante e berrou:
"vai embora, ratazana!" e começou a falar cada palavrão
cabeludo que dava medo. Depois que a visita foi
embora, o dono da casa foi até o poleiro. Estava furioso:
- Seu mal-educado, sem-vergonha de uma figa! Estou cheio!
Agora você vai ver o que é bom pra tosse.
Agarrou o papagaio pelo cangote e atirou dentro da
geladeira: - Vai passar a noite aí de castigo!
Depois, fechou a porta e foi dormir. No dia seguinte,
saiu atrasado para o trabalho e esqueceu o coitado
preso na geladeira.
Foi só lembrar do bicho à noite, quando voltou para casa.
Foi correndo abrir a geladeira. O papagaio saiu trêmulo
e cabisbaixo, com cara arrependida, cheio de pó gelado
na cabeça. Ficou de joelhos. Botou as duas asas na cabeça.
Rezou. Disse pelo amor de Deus. Reconheceu que estava
errado. Pediu perdão. Disse que nunca mais ía fazer
aquilo. Jurou que nunca mais ía fazer coisa errada,
que nunca mais ía atender telefone e interromper
conversa, nem xingar nenhuma visita. Jurou que nunca mais
ía dizer palavrão e nem "vai embora ratazana".
Depois, examinando o homem com os olhos arregalados,
expiou dentro da geladeira e perguntou:
- Queria saber só uma coisa: O que é que aquele
franguinho pelado, deitado ali no prato, fez?

(Ricardo Azevedo)
(Imagem da internet)

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

*ME ESPANTEI COM A INTELIGÊNCIA DO 'PESTINHA'*

/>
Tínhamos na escola um aluno que fazia muita bagunça e todo
tipo de travessura. Um dia, enquanto tentava ensinar para
a turma palavras com acento agudo, o garoto subiu no
armário, no canto da sala, ameaçando pular. Eu havia
planejado tudinho para essa aula - seguindo as orientações
da coordenadora. Mas onde estava o meu caderno de
anotações? O aluno tinha levado para cima do armário.
Quase em pânico, eu não lembrava de nenhum exemplo de
frase com palavras acentuadas. Então, escrevi no quadro-
negro a primeira coisa que veio à minha cabeça e pedi
para a turma acentuar:
"A jiboia bebe cafe na xicara". Nesse momento, o menino,
que, de acordo com psicólogos, tinha "lesão mental",
falou:
"Professora, quem escreveu essa frase é muito burro.
Onde já se viu jibóia beber café e ainda na xícara?"
Foi um choque! Parei a aula e disse que ele tinha toda
razão! A partir daquele dia, comecei a olhar para o
"pestinha" de outra maneira... E ele se tornou o
ajudante da professora "burrinha". Depois de dez anos,
somos ótimos amigos e nos admiramos muito. Até hoje,
quando nos encontramos, lembramos daquela jibóia!

"Maria Hellena Alves, Ipatinga, MG,
heleish@uol.com.br "

sábado, 24 de outubro de 2009

*FIZ O RECADASTRAMENTO*


(Imagem da internet)

"Tomei um susto quando vi na minha conta- corrente um
débito de 1.800 reais que eu não tinha feito. O
extrato mostrava que o dinheiro tinha sido usado para
pagar contas de água, luz e gás.

Reclamei no banco e o gerente me perguntou se eu havia
preenchido alguma informação pessoal na internet ou
fornecido a senha para alguém. Fiquei com vergonha e
neguei. Mas lembrei que, dias antes, havia feito
exatamente isso: ao tentar abrir a página do banco,
apareceu na tela uma mensagem pedindo que eu me
recadastrasse, e eu preenchi todos os dados, um a um.
Hoje, continuo fazendo operações pela rede, mas com
um antivírus atualizado. Eu não tomava cuidado,
porque achava que era tarefa do banco cuidar disso."

(Polyana Ruffino, 25 anos, publicitária ,São Paulo, SP)
(Revista VEJA)

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

*LEMBRANÇAS DA INFÂNCIA*


Há cheiros, cores e sabores da infância que se eternizam
na memória adulta. Ficam impregnados na gente, e quando,
por acaso, encontramos com eles de novo, somos
invadidos por uma nostalgia misturada de mágoa daquilo
que já foi e, infelizmente, não poderá mais ser. Cora
Coralina, personagem e autora do livro As Cocadas.
A poetisa e doceira goiana faz um relato simples e
envolvente do dia em que ajudou a prima a fazer
cocadas que deixaria de saborear.

Na época com 10 anos, a menina Cora, quando viu as
cocadas prontas, percebeu um coco gordo, carnudo e
leitoso, mas comeu apenas duas, já que as outras foram
guardadas numa terrina, no alto da prateleira. Por
dias seguidos sonhou com as cocadas, mas nada. Só
tempos depois, quando a prima precisava da terrina
para bater ovos, foi colocada diante dos doces.
Para sua surpresa, estavam embolorados, e foram
oferecidos ao cachorro. "Até hoje sinto dentro de
mim uma revolta - má e dolorida - de não ter
enfrentado decidida, resoluta, malcriada e cínica,
aqueles adultos negligentes e partilhado das
cocadas bolorentas com o cachorro."

(As Cocadas, de Cora Coralina
Global Editora)

terça-feira, 20 de outubro de 2009

*A LITERATURA COMO SUPORTE*


scraps animados



Em março de 2005 o professor Hugo Monteiro Ferreira, de Cabo
de Santo Agostinho (PE), iniciou um trabalho de aplicação
prática para a sua tese de doutorado. A idéia era trabalhar
o currículo da quarta série de uma escola pública por meio
de uma abordagem transdisciplinar que usasse a literatura
como suporte. A metodologia envolveu três frases: entrevistas
com a professora e com os alunos da turma na qual iria atuar
como professor; encontros temáticos com os alunos e aulas de
leitura de literatura com abordagem transdisciplinar no
ensino do conteúdo curricular da escola.

A primeira etapa tinha como objetivo conhecer a professora e
saber o que os alunos pensavam sobre temas relacionados à
produção do conhecimento na escola e como a relacionavam
com a leitura literária. A base do trabalho se deu com o
conto Tchau, de Lygia Bojunga.
No decorrer do trabalho, outros textos literários, como
Profundamente, de Manuel Bandeira, e Soneto do amigo, de
Vinícius de Moraes, foram usados, pois propiciavam a
articulação de estudos nos campos de português, geografia,
história, matemática, religião e artes. Hugo observa que
o mediador da aprendizagem deve possuir um conhecimento
generalista.
"Não precisa ser um conhecedor de tudo, mas saber promover
as interações necessárias no processo de orientar a
aprendizagem dos alunos", explica. De setembro a dezembro,
Ferreira realizou 13 encontros, de 4 horas cada, com os
alunos. O trabalho foi aplicado numa escola disciplinar,
o que prova que é possível utilizar essa metodologia
sem alterar todo o currículo do município.

"A professora da sala me cedeu o espaço e acompanhou todo
o processo. Não abri mão dos conteúdos de língua portuguesa,
história, ciências, geografia e matemática que estavam
previstos. Eles aprenderam tudo isso de um modo conectado.
O resultado foi um envolvimento muito significativo por
parte dos alunos com a aprendizagem. O texto literário,
por sua natureza complexa, pode ser usado como instrumento
transdisciplinar, mas não pode perder a sua natureza
estética, tornando-se apenas um instrumento didático.
Precisa entrar em sala de aula com toda a sua gama
de contradição", defende.

www.revistaeducacao.com.br

sábado, 17 de outubro de 2009

*P É R O L A*


(Foto da internet)
"Tenho um filho de 5 anos (Vinícius) e anoto todas
as coisas engraçadas que ele fala. Pretendo, um dia,
publicá-las. Amei e fiquei surpresa com a matéria
Pérolas infantis (edição de setembro). Um dia,
quando Vinícius tinha 4 anos, um percevejo
pousou nele e ele gritando, apavorado, disse:
"Mãe, o catacevejo botô fedô nim mim!"
Na hora, eu tive uma crise de risos. E ele,
lógico, ficou chateadíssimo. Mas não deu para evitar."

(Andréa Carla da Hora de Lira, Recife, (PE))

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

*CANTORA: INEZITA BARROSO*


ÍDOLO INESQUECÍVEL:
NOME: Inês Madalena Aranha de Lima
NASCIMENTO: 4/3/25, em São Paulo-SP

ALGUNS SUCESSOS:
'Marvada Pinga', 'Rio de Lágrima', 'Moda da Mula Preta'.

HISTÓRIA:

Ela é cantora, atriz, instrumentista, folclorista,
professora e apresentadora de rádio e TV.

Começou a cantar aos 7 anos. Aos 9,, já era fã de seu
vizinho poeta Mário de Andrade e aos 11 começou a
estudar piano. Estreou profissionalmente em 1950 na
Rádio Bandeirantes, e logo ganhou prêmios de melhor
cantora do rádio. Ultrapassou a marca dos 50 anos
de carreira e de 80 discos gravados. Há 28 anos
comanda o programa 'Viola, Minha Viola' pela
TV Cultura.
(Jornal DAQUI)

sábado, 10 de outubro de 2009

*TELEFONE*


Um homem ligou para outro, que não conhecia, e disse:
- Alô, eu gostaria de falar com o Roni.
- É o próprio!-respondeu o rapaz do outro lado da linha.
- Oi 'Próprio', eu poderia falar com o Roni, por favor?

*LOIRA NÃO TEM JEITO*

Uma velha loira sai do consultório sem entender muito
o que o médico falou.
Intrigada, volta e pergunta outra vez ao doutor:
- Doutor, o senhor disse capricórnio ou sagitário?
- Câncer, senhora, câncer...


*CASAL E A ECONOMIA*

- Querida, com essa crise, vamos ter de começar
a economizar.
- Tudo bem... Mas como?
- Aprenda a cozinhar e mande a empregada embora.
- Tá legal... Então aprenda a fazer amor e pode
dispensar o motorista!

(Imagens da internet e piadas do Jornal DAQUI)