quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

#FESTA#


Atrás do balcão, o rapaz de cabeça pelada
e avental olha o crioulão de roupa limpa
e remendada, acompanhado de dois meninos
de tênis branco, um mais velho e outro mais
novo, mas ambos com menos de dez anos.
Os três atravessam o salão, cuidadosa mas
resolutamente, e se dirigem para o cômodo
dos fundos, onde há seis mesas desertas.
O rapaz de cabeça pelada vai ver o que eles
querem. O homem pergunta em quanto fica
uma cerveja, dois guaranás e dois pãezinhos.
_ Duzentos e vinte.
O preto concentra-se, aritmético, e confirma
o pedido.
_ Que tal o pão com molho! _ sugere o rapaz.
_ Como!
_ Passar o pão no molho da almôndega. Fica
muito mais gostoso.
O homem olha para os meninos.
_ O preço é o mesmo _ informa o rapaz.
_ Está certo.

Os três sentam-se numa das mesas, de forma
canhestra, como se o estivessem fazendo pela
primeira vez na vida.
O rapaz de cabeça pelada traz as bebidas e
os copos e, em seguida, num pratinho, os dois
pães com meia almôndega cada um. O homem e
(mais do que ele) os meninos olham para
dentro dos pães, enquanto o rapaz cúmplice
se retira.

Os meninos aguardam que a mão adulta leve
solene o copo de cerveja até à boca, depois
cada um prova o seu guaraná e morde o
primeiro bocado do pão.
O homem toma a cerveja em pequenos goles,
observando criteriosamente o menino mais
velho e o menino mais novo absorvidos
com o sanduíche e a bebida.

Eles não tem pressa. O grande homem e seus
dois meninos. E permanecem para sempre,
humanos e indestrutíveis, sentados
naquela mesa.

"Wander Piroli"
"Do livro Descobertas"

domingo, 28 de dezembro de 2008

sábado, 27 de dezembro de 2008

#O FUTURO COMEÇA AGORA#


Recados e Imagens - Meninas - Orkut




Ana Júlia Carvalho Gomes, de 11 anos,
também já sabe que não deve receber a mesada
e sair correndo para shopping. Ela ganha, por
mês, 30 reais, e confessa que, às vezes, gasta
com coisas sem importância. "As vezes, me
descontrolo e compro por impulso. Outro dia
comprei uma cozinha da Barbie e nem gosto mais
de brincar de boneca", conta.
Mas Ana Júlia já aprendeu a administrar sua
mesada, tanto que economizou 174 reais. "Neste
momento, não estou precisando de nada, por isso
vou continuar juntando", diz. Ela já conseguiu
economizar 244 reais para comprar um celular.
"Meus pais dizem que tenho de economizar desde
agora para, mais tarde, saber administrar
minhas finanças", afirma.

"Almanaque de O POPULAR,
de Maria José Braga"

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

#VALE A PENA ECONOMIZAR#


Se tem tanta coisa no mundo pra gente comprar,
como é que vamos conseguir economizar!
Ah, não é fácil. Quando ganhamos um dinheiro,
logo aparece uma vontade doida de ir correndo
gastá-lo. É por isso que a gente precisa se
educar, aprendendo a economizar.
Quem ganha mesada sabe como é que é. Se não
ficar esperto, o dinheiro, que precisa durar
o mês inteiro, não resiste nem por uma semana.
Mas tem muita criança e adolescente que
aprende desde cedo a não sair por aí detonando
a grana que tem no bolso.

João Pedro Brito Antunes, de 11 anos, é um
deles. João recebe mesada desde os 7 anos e
aprendeu a comprar o que precisa e também o
que quer, mas sempre guardando um pouquinho.
A mesada de outubro, por exemplo, ele guardou
todinha. "Estou juntando para gastar no Ano-
Novo", conta.
João vai passar o fim de semana em Pirenópolis
e quer ter dinheiro para fazer muitos passeios.
Por isso faz contas:
"Minha mesada é de 50,00. Até lá, vou ter
juntado 150,00. Estou pensando também em arrumar
o pneu da minha bicicleta, que vai ficar uns
60,00. Aí, vou ficar com 110,00 para os passeios."

"Almanaque, do Jornal O Popular"

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

#FELIZ NATAL, MEU AMOR!

RecadosAnimados.com


Feliz Natal meu Amor:




Feliz Natal meu amor!
Desejo a você e a sua família toda
a paz, amor, fraternidade
e prosperidade. Muita saúde.
Que Jesus abençoa nosso relacionamento.
Roni, espero passar muitos e muitos
natais com você.
Desejo tudo de bom e maravilhoso a você,
meu amor. Te amo!!!
Beijinhos com carinho e amor!!!

Sua,

Ana Maria

***Ana Maria ***

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

#MENINO ESPERTO#


Jeovando, menino peralta, quando pequenino
resolveu procurar a lamparina, acabou
espetando ela no nariz.
Um dia pensou fazer uma aventura, acabou
perdido na mata.
Eu me lembro quando ele resolveu ficar
fofo. Saiu com a professora Vilma, que ainda
estava com uma criança no ventre; quando
cuidou que nao, recebeu visitas de
marimbondos. Quase que o Klender nascia antes
do tempo. Só sei que foi um berreiro danado.
Ele dispencou da árvore no solo, e quase,
morreu asfixiado, porque socaram a cabeça dele
no rio.
Um dia foi um susto daqueles. Um rapaz com
uma carabina lascou um metal químico na perna
dele. O povo reuniu na praça , todos
preocupados.
E quando resolveu ser técnico de futebol!
Juntou com a molecada e reuniu um bolao
de uma certa quantia, quando mamae
descobriu, deu uma sova nele.
Ela nunca aceitou que aparecéssemos em casa
com objetos que nao eram nossos.
Ele era muito divertido. Vivia fazendo
letras no ar com o dedo.
Atualmente, adora fazer piadas, é ainda muito
divertido.
É meu mano querido.

***Acima na foto, sou eu e ele.
Fato verídico escrito e contado por
mim, Ana Maria***

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

#NAMORO COM TRAPEZISTA#


Vania, menina séria, desordenou os coraçoes.
O moço Ivo subia no coreto e cantava pra ela.
Fazia serenata, ele cantava, "Menina da Aldeia",
ele confundia ela com índia.
Um dia coneceu o jovem Quincas, e rastejaram
de amor.
Uma vez foi a um circo no Passa Quatro, e ela
resolveu namorar com o trapezista. Teve momento
que pensou em viajar junto com o circo; seria
ela uma trapezista! Uma domadora de leao!
Sei que quase virou artista de circo.
Também resolveu ser enfermeira. Aplicava
injeçao no Pedro Tatu, no Tico; até nos caes
ela aplicava injeçao.
Tudo isso foi aventura.


Atualmente está casada com Tomás, é fazendeira,
mora próximo a Caldas Novas. Tem 3 rebentos.
Na foto acima, ela está com nossa mae.
É uma mana querida!

***Ana Maria***

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

#TOCADOR DE SINO INVISÍVEL#


Elson, tocador de sino invisível. Amarrava
um cordão no badalo do sino e descia pasto
abaixo segurando a ponta. De vez em quando
puxava o cordão e o sino tocava. Quem
passava por perto e ouvia, não via ninguém,
saía em disparada. Costumavam dizer que só
o sino não bebe, porque é virado para
baixo. Imagine vocês, o Elson e amigos
fizeram escadinha, trepando no pescoço uns
dos outros, até alcançar o sino, e virou
o tal e despejou bebida, e disseram: o sino
também bebe. Quem diria.

Hoje, Elson nos conta essas brincadeiras.
Ele, sério, muito religioso, exemplo
para todos. É meu irmão.
É todo nosso apoio.

***Minha História, de Ana Maria
Gonçalves***

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

#O VÔO DOS GANSOS#


Ontem observei uma enorme revoada de gansos
batendo asas em direção ao sul com um pôr-
do-sol panorâmico que coloria todo o céu
durante alguns momentos. Vi-os enquanto
me apoiava contra a estátua do leão em
frente ao Instituto de Artes de Chicago,
onde eu estava observando as pessoas que
faziam compras de Natal andando apressadas
pela avenida Michigan. Quando baixei o
olhar, percebi que uma mendiga, parada a
alguns metros de distância, também estivera
observando os gansos. Nossos olhos se
encontraram e nós sorrimos - reconhecendo
silenciosamente o fato de que havíamos
partilhado uma visão magnífica, um símbolo
do misterioso esforço de sobrevivência.

Ouvi a senhora falar para si mesma enquanto
se afastava desajeitadamente. Suas palavras,
"Deus me estraga com mimos", eram espantosas.
Será que a senhora, essa pária das ruas,
estaria brincando! Não. Acredito que a visão
dos gansos tenha quebrado, mesmo que por um
breve momento, a dura realidade de sua
própria luta. Percebi mais tarde que
momentos como aquele a mantinham viva: era
a forma através da qual ela sobrevivia à
indignidade das ruas. Seu sorriso era real.

A visão dos gansos era seu presente de Natal.
Era a prova de que Deus existia. Era tudo
o que ela precisava.
Eu a invejo.

"Histórias Para Aquecer o Coração,
de Fred Lloyd Cochran, p.69 e 70"

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

#FILOSOFIA DE UM PARDAL#


Um pardal cansado da vida rotineira, resolveu
sair, voar pelo mundo em busca de aventuras...
... Voou até uma região gelada e, não podendo
mais voar, caiu no chão. Quando estava quase
morrendo congelado...
... Uma vaca o viu e cagou em cima dele. A
merda quente o salvou!...
... Sentindo-se muito bem começou a cantar.
Um gato, ouvindo esse canto, seguiu-o, tirou
o pardal da merda e o comeu.

CONCLUSÕES:

Nem sempre quem caga em você é seu inimigo.
Nem sempre aquele que o tira da merda é
seu amigo.
Desde que se sinta confortável, mesmo
estando na merda fique de bico fechado!

"Texto: Autor desconhecido.
'descoberta' a arte: Ana Paula"

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

#O FOGO INCONTROLÁVEL DO DESEJO#


Ao terminar a festa, quase implorei para
levá-la para sua casa em meu carro, depois
de muita conversa ela aceitou, estava
dirigindo sem nenhuma concentração,
desejava aquela mulher mais do que tudo,
estava completamente doido por ela, não me
reconhecia, fui sempre um homem reservado,
maduro e controlado e agora estava
desejando uma mulher que mal conhecia,
neste momento percebi que estava sendo
hipnotizado por este perfume e não
controlava meus atos.
Muitas mulheres que utilizaram este
perfume mágico descobriram seu
extraordinário poder de atração.

"Revista OÁSIS"

domingo, 14 de dezembro de 2008

#A ESPERA#


Recados e Imagens - Gravidez - Orkut




De dentro de mim, enrodilhado, por meu olhar
contemplas o universo. Vem, minha criança,
não tenhas medo. Sai dessa concha de sangue
e carne onde te preparas para o mistério da
vida - estou à tua espera. Vem, quero te
falar das marés e da Lua Cheia, quero te
contar dos homens e de suas invenções.
Conheço cantigas de ninar com as quais te
embalarei, para que teu sono seja tranquilo.
Sei histórias de fadas e de heróis e vou
narrá-las, uma por uma, para que seja alegre
teu despertar e divertido teu dia.

Ouve: esse rumor surdo e contínuo - que te
faz companhia aí dentro nessa noite de tantas
luas - é meu coração batendo. Ele continuará
pulsando por ti, quando já tiveres saído e
me olhares nos olhos. Por esse som me
reconhecerás, aqui fora, quando estiveres nos
meus braços e eu te aconchegar no meu peito.
Esta será nossa senha, para o resto da vida.
Toda vez que a tristeza escurecer o teu
semblante, sempre que a aflição fizer teu
coração bater mais rápido, corre para mim e
encosta a cabeça no meu regaço. Aí ouvirás
de novo esta mensagem. Estarei te esperando.
Como hoje.
"Aos cinco meses, seu bebê já chupa o dedo,
abre e fecha as mãozinhas e dá chutes e
reviravoltas para treinar o sistema nervoso."

"Lídia Rosenberg Aratangy"

sábado, 13 de dezembro de 2008

#RAUL CORTEZ#


Belo, sensual, e apaixonado. Muitos são
os adjetivos que se poderia atribuir a Raul
Cortez. Nasceu em São Paulo e viveu toda
sua infância no bairro de Santo Amaro.
Chegou a estudar Direito, mas não completou.
Funcionário Público, foi aprovado para o
Teatro Brasileiro de Comédia. Alguns anos
depois, integrou a Companhia Cacilda Becker,
onde viajou todo o Brasil e chegou a
Portugal para realizar seu primeiro trabalho
fora do país.
Nos anos 60 foi premiado como melhor ator
coadjuvante pela Associação dos Críticos de
Arte.
Depois disso, não parou mais de ser premiado,
ganhando desde o Prêmio Embaixada Americana
a vários Molières.

Em 2000 atuou na peça 'Rei Lear' deShakespeare.
Seu último trabalho na TV foi na novela
'Esperança' da Rede Globo, emissora na qual
já interpretou vários personagens.
Com muitos anos de sucesso, esse profissional
renomado serve de espelho para muitos jovens
atores.
Raul Cortez, descanse em paz!

"Revista PERSONALIDADE"

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

#MARCAS DE SOFRIMENTO#


Um jovem amigo procurou-me há alguns dias
com marcas de sofrimento no rosto. A
esposa, para sua surpresa, lhe dissera que
não mais o amava e queria separar-se. Meu
amigo tentou conversar com o argumento de
que tudo contribuía para continuarem a se
dar bem, felizes. De nada adiantou o
esforço. E lá se foi ela com inabalável
convicção, levando o filho do casal. Tudo
se resolveu do ponto de vista jurídico:
visitas, contato com o filho, recursos.

Mas em termos afetivos foi um desastre:
sofrimento, desespero, noites maldormidas,
raiva.
Ele pediu a minha ajuda. Ajudar como! A
única coisa que eu poderia fazer era
escutá-lo com simpatia e compreensão,
acolhendo seu sofrimento. Vocês sabem
que nessa situação as pessoas se tornam
monotemáticas e repetitivas. Claro que
meu amigo disse o quanto a amava; insistia
que ela não tinha motivos para abandoná-lo;
perguntava-se o que ocorreria em sua
relação com o filho; afirmava que jamais
deixaria de querê-la.

"Nahman Armony, médico psicanalista"

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

#A PRIMEIRA LIÇÃO#


A segunda lição de economia que devemos
aprender é exatamente a diferença entre
precisar de alguma coisa e apenas querer.
Muitas vezes compramos coisas supérfluas,
que não têm a menor importância nem para
nós mesmos, só por capricho. É ou não é
verdade!

É claro que também não devemos deixar de lado
tudo o que queremos. É preciso saber avaliar
até mesmo nossos desejos: será que queremos
mesmo ou só estamos influenciados por outras
pessoas ou pela propaganda! E, mesmo quando
queremos alguma coisa, temos de pensar se
vale a pena comprá-la. Isso é fundamental
para a terceira lição, que é saber
economizar. Epa! Mas, e a primeira, qual é
a primeira lição! É saber dar valor ao
dinheiro. Para isso, basta a gente perguntar
de onde ele vem. Dinheiro não dá em
árvore nem cai do céu, não é mesmo!

Para ganhá-lo, a maioria das pessoas tem de
trabalhar, e muito. Então, devemos valorizar
o dinheiro, aprendendo a gastar e
também a economizar.

"Jornal Almanaque O POPULAR,
Maria José Braga"

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

#FIQUEI SEM AÇÃO#


Imagens, Mensagens, Frases e Vídeos - Tristeza - Orkut




Era sexta-feira, agosto de 1994. O Rui tinha
ido a uma festa e nós ficamos em casa com a
Aline. Acabamos indo a um festival de frutos
do mar. Na volta, um carro fechou o nosso,
que capotou. Não me lembro dos detalhes,
Acordei no dia seguinte, no hospital, dopada.
Meus ferimentos não eram graves: um corte na
boca e uma perna machucada. Não reconheci
minha irmã nem meu sogro.
Meu marido tinha morrido. Eu estava de
choque, não entendi nada. Aline também estava
morta. Foi traumático, fiquei sem ação.
Perder marido e filha de uma vez! Muito
sofrimento.

Fiquei um mês sem chão, sem saber o que fazer.
Estava há 14 anos sem trabalhar. Como pagar
o aluguel e a escola! Eu precisava de força
para tocar a vida e criar meu filho. Mas a
cota de sofrimento não havia acabado. Tive
de retirar útero e enfrentei uma labirintite.
Acho que era um reflexo do meu estado
emocional.
Quando melhorei, fui trabalhar numa
imobiliária, mas não deu certo. Mas minha
coragem sobreviveu. Arrumei emprego numa
construtora onde estou até hoje. O Rui, aos
poucos, se conformou com a perda do pai
e da irmã.
Conversamos muito sobre o acidente e hoje
somos grandes companheiros. Aprendi que
Deus escreve certo por linhas tortas. Se
o Rui veio de uma gravidez indesejada, ele
é hoje a coisa mais preciosa da minha vida
e a única lembrança que tenho do grande
amor que vivi com meu marido.

Aprendi que precisamos viver cada minuto
intensamente. Meu cunhado queria ir atrás
do responsável pelo acidente. Mas eu o
impedí, não quero ter raiva. Para quê!
Nada trará minha filha e meu marido de volta.

"Depoimento a Adriane Behar, Note e Anote"

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

#ENCONTRE TEMPO#


Num domingo de manhã pensando muito no curso
de casal realizado em 1988, comecei a
escrever: Eu tenho um nome a zelar. Só
conseguirei sendo eu mesma, com meu modo de
ser, minhas possibilidades, minha
originalidade. Ninguém zelará por mim. Tudo
de bom ou ruim comigo, outros não passarão
no meu lugar.
Nessa vida agitada, cheia de obrigações e
horários, o casal quase não conversa mais e
namora pouco.
O diálogo nem se fala, é muita impaciência
para ouvir. Os filhos sentem isso na pele,
a família, o trabalho, enfim, os deveres
impulsionados a cada um, sempre com pressa,
e a conversa que temos fica só na superfície.
Aquele papo gostoso que pretendíamos levar
vai sempre sendo adiado.

Sem aquela tranquilidade que seria o ideal,
muitas vezes mágoas e ressentimentos vão
se somando, por falta de atenção; e se o
casal encontrar um tempinho para conversar,
o clima fica tenso, pode ocorrer acusações,
queixumes e reclamações.

***Ana Maria Gonçalves***

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

#PAI GUERREIRO#


O GUERREIRO SANTO JORGE:
Filho de pais cristãos, Jorge aprendeu desde
a sua infância a temer a Deus e a crer em
Jesus como seu salvador pessoal. Sua imagem
de jovem guerreiro, montado no cavalo branco
e enfrentando um terrível dragão, reporta as
várias lendas que narram esse feito
extraordinário. A maioria delas diz que uma
pequena cidade era atacada periodicamente
pelo animal mitológico que fazia dezenas de
vítimas com seu hálito de fogo. Para que a
população inteira não fosse destruída pelo
dragão, a cidade lhe oferecia vítimas jovens,
sorteadas a cada ataque

Certo dia chegou a vez da filha do rei, que
foi levada pelo soberano em prantos à margem
do lago. De repente apareceu o jovem guerreiro
e venceu o dragão, transformando-o em dócil
cordeiro, que foi levado pela jovem em uma
corrente para dentro da cidade. Ali, o
valoroso herói informou que vinha da
Capadócia, chamava-se Jorge e acabara com o
mal em nome de Jesus Cristo, levando a
comunidade inteira à conversão. De fato, o
que se sabe é que o soldado Jorge foi
denunciado como cristão, preso, julgado e
condenado à morte. Santo Jorge virou um
símbolo de força e fé e seu dia é
comemorado em 23 de abril.

"Revista VEJA"

sábado, 6 de dezembro de 2008

#MUITAS VIAGENS#


Imagens, Mensagens, Frases e Vídeos - Homem e Mulher - Orkut




Conheci o meu marido aos 16 anos. Tive certeza
de que viveríamos uma grande história. Aos 19
anos, fiquei grávida. Fomos morar com meus
sogros, e continuei a trabalhar depois que a
Aline nasceu. Nossa vida era maravilhosa,
cheia de amigos, bem agitada. Quando ele
começou a ganhar melhor, fomos para um
apartamento, mas continuei a trabalhar para
ajudar com as despesas. Eu me desdobrava para
cuidar de tudo. A Aline tinha quatro anos
quando engravidei do Rui. Tomava anticoncepcional
e saí transtornada do consultório médico.
Meu marido me acalmou.

Só mais tarde tive certeza disso.
Minha mãe me ajudou a cuidar do Rui até ele fazer
cinco meses. Mas precisou voltar porque meu pai
estava doente. A essa altura, meu marido tinha
um bom emprego e parei de trabalhar para
cuidar das crianças. Nossa vida continuava
ótima. Viajávamos muito, e ele sempre fazia
convites inesperados. Certa vez, perto da
meia-noite, saímos para comer feijoada.
Foi inesquecível. De um desses programas
repentinos me lembro bem, porque
mudou minha vida.

"Depoimento a Adriane Behar, Note e Anote"

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

#BRASIL X EUA#


Recados e Imagens - Caricaturas - Orkut




Um brasileiro estava tomando café quando um
americano, mascando chicletes, senta-se ao
lado dele e começa a puxar conversa:
_ Você come esse pão inteirinho!
_ Claro! _ responde o brasileiro.
_ Nós não. Nós comemos só o miolo, a casca
nós vamos juntando num container, depois
processamos, transformamos em crossaint e
vendemos para o Brasil.
O brasileiro ouve calado.
_ Você come esta geléia com o pão! _ insiste
o americano.
_ Claro!
_ Nós não. Nós comemos frutas frescas, jogamos
todas as cascas, sementes e bagaços em
containers, depois processamos, transformamos
em geléia e vendemos para o Brasil.
O brasileiro já de saco cheio diz:
_ E o que vocês fazem com as camisinhas
depois de usadas!
_ Jogamos fora, claro!
_ Nõs não. Vamos guardando tudo em containers,
processamos, transformamos em chicletes e
vendemos para os Estados Unidos.

"Cláudia Spíndolla"

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008